Ensino e Pesquisa

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento Regional no Estado de Minas Gerais

Palestrante: Juan Pedro Bretas Roa - UFVJM

Delegado regional do CRQMG - DIAMANTINA E REGIÃO - Delegacia J.K.
Licenciado em Química pela UFSJ (2005), Especialista em Gestão Ambiental e Social pela UFSJ (2007), Mestre em Física e Química de Materiais pela UFSJ (2008) e Doutor em Química pela UFMG (2012). Atualmente é Professor Adjunto II na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e desde 2014 é o Diretor do Centro de Inovação Tecnológica (CITec) da UFVJM.

Resumo da Palestra:

Grande parte do desenvolvimento tecnológico e econômico se encontra vinculado aos grandes centros urbanos, mas após a interiorização do ensino superior, o Estado de Minas Gerais tem experimentado um ambiente de oportunidades nunca antes vivenciado, principalmente no seu interior, porém ainda pouco explorado pela sociedade. A transferência de conhecimento e a formação de novos profissionais são os principais legados das instituições de ensino e pesquisa, contudo há ainda o grande desafio de garantir competitividade das empresas mineiras existentes e que venham a surgir gerando emprego, renda e desenvolvimento regional, em especial quando se trata de micro e pequenas empresas. O apoio de escolas técnicas, universidades, grupos e centros de pesquisa do estado são ferramentas ainda pouco utilizadas para impulsionar novas oportunidades de negócio. Essa interação pode ser usada para fazer crescer diversos setores da economia, em especial aqueles que atuam diretamente com profissionais da química, principalmente em momentos de crise econômica, atuando em áreas até o momento muito pouco exploradas, como as regiões Norte, Nordeste e os Vales do Jequitinhonha e Mucuri que hoje se apresentam em franco desenvolvimento.

 

Desenvolvimento de tecnologias na universidade conforme interesse da indústria

Palestrante: Luiz Carlos de Oliveira - UFMG

Possui graduação em Quimica-bacharelado (1997), mestrado em Físico-Química (2000) e doutorado em Química Inorgânica pela Universidade Federal de Minas Gerais e Pós-doutorado pela Universidade da Califórnia (2009). Foi membro da Câmara-CEX de Assessoramento da Fapemig (2010-2014) e Coordenador do Programa de Monitores de Graduação (Departamento de Química-UFMG)(2012- 2013). Atualmente é professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (Coordenador do Setor de Química Inorgânica-UFMG em 2014). Atua em Química Ambiental e Desenvolvimento de Materiais, principalmente nos seguintes temas: compostos de nióbio, carvão ativado, óxido de ferro, catálise, adsorção e contaminantes. Foi bolsista de Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora. Prêmios recebidos: 3 vezes vencedor do Prêmio Petrobrás de Tecnologia (2007, 2009 e 2013); Prêmio Santander de Ciência e Inovação na categoria Indústria em 2008, Orientador do Prêmio Jovem Cientista em 2010 (Categoria graduado; 2° lugar) e vencedor do Prêmio Investigador Jovem 2012 (FISOCAT-Federación Iberoamericana de Sociedades de Catálisis); Prêmio Pesquisador em Catálise-2013 (SBCAT). Possui alguns trabalhos com empresas visando a transferencia de tecnologias, sendo que 15 patentes foram depositadas junto ao INPI. O processo descrito por uma das patentes foi licenciada pela empresa Verti Ecotecnologias, sendo já testada em escala piloto e realizado um estudo de viabilidade técnica e econômica. Um segundo processo foi feito pedido de patente internacional com a Petrobras (PCT/BR2012/000115). Além disso, a patente BR1320150067-6 foi licenciada pela Empresa Vértica Tecnologia Ltda e encontra-se em estudo de viabilidade econômica. Essa patente também foi alvo de pedido de depósito internacional.

Resumo da Palestra:

Será abordada a relação entre universidade e empresa discutindo-se as dificuldades de se levar para a indústria tecnologias desenvolvidas na universidade. Alguns casos envolvem o desenvolvimento de produtos e processos de interesse da indústria e foram objeto de pedido de patente e transferência para a indústria. Especificamente serão abordados os seguintes casos: (i) transformação da glicerina residual do biodiesel empregando catalisadores de nióbio; (ii) transformação de rejeitos da indústria do couro em fertilizantes; (iii) Uso de catalisadores e luz solar na erradicação de larvas da dengue.