Tecnologia e Engenharia

Nanotecnologia para o setor de energia

Palestrante: Glaura Goulart Silva - UFMG

Professora Titular do Departamento de Química da Universidade Federal de Minas Gerais e vice-coordenadora do Centro de Tecnologia em Nanotubos de Carbono instalado no parque tecnológico BH-TEC. Publicou cerca de 85 artigos em periódicos especializados e depositou 8 pedidos de patentes. Orientou e co-orientou 16 teses de doutorado e 9 dissertações de mestrado. Tem experiência na área de materiais poliméricos multicomponentes, atuando nos últimos anos principalmente em preparação, caracterização e estudo de aplicações de compósitos com nanomateriais de carbono - carbon black, nanotubos de carbono e grafeno. Está envolvida em pesquisa para aumento de escala de produção de nanomateriais e nanocompósitos, visando inovações associadas à cadeia de nanotecnologia. Foi premiada como “Destaque em Pesquisa – categoria pleno”, pela Sociedade Brasileira de Química, regional de MG em 2013 e com o 1o Lugar em projetos de empresas de base tecnológica pelo Santander Empreendedorismo em 2012.

Resumo da palestra:

O grupo do Laboratório de Materiais Poliméricos Multicomponentes do Departamento de Química da UFMG tem trabalhado desde 2008 com foco no eixo pesquisa e desenvolvimento tecnológico. Nossa contribuição concentra-se na nanotecnologia para a cadeia de suprimento de energia, em particular com o uso de nanomateriais de carbono integrados em matrizes poliméricas. Exemplos de materiais avançados para o aumento da eficiência e segurança da fonte convencional de energia dos combustíveis fósseis são os sistemas poliméricos com nanotubos de carbono e grafeno. Minimizar perdas de energia é tão relevante quanto explorar novas fontes de energia menos impactantes para o meio ambiente. O grupo tem atuado igualmente no desenvolvimento de materiais e design para dispositivos avançados de armazenamento e conversão de energia, em particular o supercapacitor. Dispositivos flexíveis, miniaturizados, com estabilidade térmica e eletroquímica superior para uso em ambientes agressivos têm sido estudados.

Dentro de uma realidade desafiadora de expansão do escopo das atividades de nosso grupo, em 2010, em colaboração com outros grupos da UFMG, contribuímos com o projeto do Centro de Tecnologia em Nanotubos de Carbono e Grafeno (CTNanotubos). Instalado no Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-TEC) desde dezembro de 2013, o CTNanotubos é um centro de tecnologia em nanotubos de carbono e grafeno cuja criação se deu através de uma parceria público/privado. O Centro objetiva o desenvolvimento de produtos a partir dos nanomateriais de carbono, servindo como unidade de apoio à inovação em cooperação estreita com empresas industriais.

Agradecimentos: UFMG, Petrobras, CNPq, FAPEMIG, CAPES, BNDES, BH-TEC e INCT de Nanomateriais de Carbono.

 

Ciclo de vida dos produtos químicos

Palestrante: Fernando Correia de Moraes Tibau - ABIQUIM

Clique aqui e acesse a apresentação utilizada na palestra

Resumo da Palestra: Programa Atuação Responsável® 

O Programa Atuação Responsável® (AR) é uma iniciativa da indústria química brasileira e mundial, destinada a demonstrar seu comprometimento voluntário na melhoria contínua de seu desempenho em saúde, segurança e meio ambiente.

Criado em 1984 no Canadá o Responsible Care® está implantado em mais de 60 países e é coordenado internacionalmente pelo O ICCA – International Council of Chemical Associations de acordo com os princípios da Responsible Care Global Chart.

No Brasil, o Programa Atuação Responsável® é coordenado pela Abiquim e é parte essencial da missão da associação para contribuir para a promoção da competitividade e do desenvolvimento sustentável da indústria química instalada no país.

O Programa está formatado em um modelo de Sistema de Gestão e tem como foco o Gerenciamento de Riscos relacionados à segurança a saúde e ao meio ambiente e a comunicação destes riscos às partes interessadas mantendo um processo transparente de informações e de preparação para situações de emergência.

Gerenciar os impactos e riscos inerentes aos produtos químicos, de forma a garantir seu uso correto e adequado, é uma das bases do sistema de gestão do Atuação Responsável que inclui dentre outros mecanismos a análise do ciclo de vida dos produtos e seus impactos ao meio ambiente, além do desenvolvimento do Plano de Implementação da Estratégia Global de Produtos (Global Product Strategy – GPS) que envolve a análise de risco dos produtos objetivando a proteção à saúde e ao meio ambiente.

O Programa Atuação Responsável se traduz em uma postura de pró-atividade, transparência e diálogo com as partes interessadas na indústria, com uma proposta de continuidade e responsabilidade, independentemente da existência de legislação. Sua continuidade representa o “compromisso com a sustentabilidade” do setor químico brasileiro.