Papel Social da Química

Revolução Verde: os impactos desse movimento em nossa sociedade.

Palestrante: Reginaldo Ferreira de Oliveira - CEFET MG

reginaldo

Possui graduação em Química pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004). É mestre em Química Analítica pela mesma universidade em 2009. Esteve envolvido em um projeto em atividade no LANAGRO-MG, no qual foram desenvolvidos métodos para determinação e quantificação de resíduos de pesticidas em alimentos por cromatografia gasosa acoplada a espectrometria de massas. Atualmente professor de Química Analítica e de Química Ambiental no CEFET-MG. Já trabalhou com separação de polipeptídeos com biologicamente ativos de peçonha de aranha por HPLC, quantificação de contaminantes inorgânicos em matrizes tuberosas por absorção atômica em forno de grafite, além de acumular desde 2003 experiência como professor de Química em diversas modalidades de ensino.

Resumo da palestra:

Revoluções diversas marcaram nossa humanidade e algumas são até marcadores da História, como podemos lembrar da Revolução Industrial. Vivemos uma fase da chamada Revolução Verde, em que há uma constante busca pela máxima produtividade no campo, de modo a controlar e/ou manipular as mais variadas grandezas envolvidas no cultivo, transporte, processamento e distribuição de alimentos. Tal movimento se inicia num momento do século XX, em que o desenvolvimento da indústria química estende ramificações profundas por outras áreas, a destacar a Agronomia. Assim, surgem cada vez mais moléculas com atividades biológicas diversas, cujo potencial de aplicação no campo demonstrava-se promissor. Tais moléculas, associadas com a manipulação dos nutrientes no solo e o uso de sementes adequadas, iriam garantir uma eficiente produtividade.
Assim como a Revolução Industrial teve reflexos notórios em nossa sociedade atual, vemos (e veremos nos próximos anos) os impactos da Revolução Verde na sociedade.

 

Aditivos em alimentos – Um mal necessário?

Palestrante: Bruno Gonçalves Botelho - UNI BH

bruno

Engenheiro de Alimentos (Centro Universitário de Belo Horizonte; 2007) e Mestre em Ciências de Alimentos (FaFar/UFMG; 2009) e Doutor em Química Analítica (DQ/UFMG;2014), com estágio pós doutoral na Faculdade de Farmácia (FaFar/UFMG/2016). Atualmente é professor do Centro Universitário de Belo Horizonte e coordenador do curso de pós-graduação em Tecnologia Cervejeira. Minhas principal linha de pesquisa é o desenvolvimento e validação de métodos analíticos envolvendo a utilização de ferramentas da estatística multivariada (Quimiometria) e técnicas espectroscópicas, principalmente infravermelho, fluorescência e análise de imagens digitais para a quantificação de parâmetros de qualidade, avaliação de fraudes e classificação de alimentos e bebidas.

Resumo da palestra:

A utilização de aditivos alimentares faz parte da história da evolução da humanidade. Desde o processo de salga de carnes, passando pelo aumento da acidez de um leite pela fermentação, ou a adição de lúpulo, que contém vários compostos bacteriostáticos em cervejas, a utilização de substancias para melhorar características sensoriais e preservar alimentos por um período maior está presente de maneira constante em nossa história. Recentemente, a utilização de aditivos tem sido vista de maneira negativa, principalmente por aqueles que pregam a alimentação saudável como estilo de vida. Mas é a real influência dos aditivos na vida moderna? Nesta palestra serão abordados aspectos teóricos, sobre classificação e função dos aditivos mais utilizados na indústria de alimentos, assim como o há de mais recente na discussão sobre como os aditivos melhoram ou pioram a vida do homem moderno.

Loading...
Loading...